Categorias
Esportes

São Bento vence Madureira, encerra jejum e vence a 1ª na Série D

Após oito jogos de jejum, o São Bento-SP, enfim, venceu a primeira na Série D do Campeonato Brasileiro. Neste sábado (31), o Bentão superou o Madureira-RJ por 2 a 1 no estádio Aniceto Moscoso, popularmente conhecido por Comendador Souza, na zona norte do Rio de Janeiro, pela nona rodada da competição.

O clube paulista subiu para oito pontos e voltou a sonhar com uma das quatro vagas do Grupo 7 à segunda fase da Série D. São três pontos de diferença para o Cianorte-PR, quarto colocado e que fecha a zona de classificação, mas que ainda vai a campo pela rodada neste domingo (1º), contra o Santo André-SP, no estádio Albino Turbay, em Cianorte (PR), às 16h (horário de Brasília).

Os cariocas, com 13 pontos, ocupam o terceiro lugar da chave, mas podem ser ultrapassados justamente pelo Cianorte. O Tricolor Suburbano, que encerrou o primeiro turno da fase de grupos invicto, sofreu a segunda derrota consecutiva na competição.

O primeiro tempo foi de poucas emoções, muitos erros de passe, faltas e cartões (foram quatro, sendo três nos primeiros 15 minutos). Na única chance real, aos 17 minutos, o lateral Juninho Monteiro cruzou por baixo, pela esquerda, a bola quicou no gramado irregular e atrapalhou o atacante Índio, que – sem ângulo e na pequena área – acertou a trave esquerda.

A etapa final foi diferente. Aos três minutos, o atacante Judson foi lançado na entrada da área pela esquerda, cortou o lateral Léo Barboza, mas arrematou por cima do gol do Madureira. No lance seguinte, Eduardo entrou na área pela esquerda e cruzou rasteiro para o também atacante Sampaio se antecipar à zaga e ao goleiro do São Bento para abrir o placar.

A resposta paulista veio aos 17 minutos. Juninho Monteiro ganhou a disputa de cabeça na área com Anderson Cavalo, mas afastou nos pés do também atacante Kayan, que matou a bola no peito e chutou da linha da área, marcando um golaço. O gol acuou os cariocas e animou os visitantes, que seguiram no ataque e chegaram à virada aos 38 minutos. O atacante Ayrton avançou pela direita, deixando a marcação do Tricolor para trás, e rolou à esquerda, na saída do goleiro, para o meia Kadu – mesmo escorregando – colocar o Bentão à frente.

Nos minutos finais, o técnico do São Bento, Paulo Roberto Santos foi expulso por reclamação e foi até o meio do gramado discutir com o árbitro Marcel Phillipe Santos Martins. Mesmo sem o treinador, a equipe de Sorocaba (SP) conseguiu administrar a vantagem para conquistar a primeira vitória na competição.

As duas equipes têm duelos estaduais na próxima rodada da Série D. No sábado que vem (7), às 16h, o São Bento recebe a Portuguesa-SP no estádio Walter Ribeiro, em Sorocaba. No outro domingo (8), às 15h, o Madureira faz o clássico contra o Bangu em Moça Bonita, zona oeste do Rio de Janeiro.

Categorias
Esportes

Nas redes sociais, presidente Jair Bolsonaro elogia atletas olímpicos

O presidente Jair Bolsonaro usou as redes sociais na tarde deste sábado (31) para elogiar a delegação brasileira que está no oitavo dia de competição nos Jogos Olímpicos de Tóquio. O presidente manifestou seu apoio e força aos atletas que, segundo ele, estão dando o melhor nas Olimpíadas. “Tudo tem um propósito. É agradecer a Deus, aprender com as quedas, relevar algumas claras injustiças, levantar a cabeça e seguir em frente. Desistir jamais! Esse é o espírito do nosso povo”, disse:

Até este sábado (31), o Brasil conseguiu um total de oito medalhas na competição sendo uma de ouro, três de prata e quatro de bronze e aparece na vigésima primeira posição no ranking.

Hoje ainda o Brasil compete no hipismo (19h45), atletismo (a partir das 21h40 e depois, às 22h30), vôlei de praia feminino (22h), tênis de mesa (22h), natação (22h30, com disputa de medalha), vôlei de quadra masculino (23h05) e luta olímpica (23h10).

Categorias
Esportes

Judô: dirigente vê bom saldo em Tóquio, apesar de queda de rendimento

O judô brasileiro se despediu da Olimpíada de Tóquio (Japão) com duas medalhas de bronze conquistadas. A participação chegou ao fim neste sábado (31), após queda nas quartas de final do torneio por equipes mistas. O resultado é inferior ao dos Jogos do Rio de Janeiro, em 2016, quando foram conquistadas três medalhas (sendo uma de ouro, com Rafaela Silva), mas manteve a tradição do Brasil na modalidade. Foi a décima edição seguida em que o país subiu ao pódio olímpico.

“A gente tem a equipe masculina em um processo de renovação, diferente da feminina, que tem atletas experientes e algumas jovens, como a Larissa [Pimenta]. A equipe masculina só tem o Baby [Rafael Silva] com maior bagagem. Esses Jogos foram diferentes. A gente teve muita dificuldade na preparação. Um atleta jovem precisa rodar mais, ter possibilidade de treinar mais com europeus e asiáticos, o que a pandemia [do novo coronavírus] dificultou. A gente buscou alternativas, conseguimos algumas coisas no fim, mas não foi suficiente para chegar como gostaríamos”, avaliou Ney Wilson, gestor de Alto Rendimento da Confederação Brasileira de Judô (CBJ), em entrevista à comunicação do Ministério da Cidadania.

Dos sete atletas do time masculino, apenas Rafael Silva (que luta na categoria acima de 100 quilos) e Rafael Buzacarini (até 100 kg) tinham disputado alguma Olimpíada anteriormente. Baby, inclusive, acumula duas medalhas olímpicas de bronze. Na delegação feminina, as estreantes foram Gabriela Chibana (até 48 kg) e Larissa Pimenta (até 52 kg). As outras quatro representantes estiveram nos Jogos em outras edições.

“Vejo uma evolução. Em janeiro, fomos ao World Masters [uma das mais importantes competições do circuito mundial], em Doha [Catar], e saímos sem medalha nenhuma. Hoje [sábado] saímos dos Jogos Olímpicos com duas medalhas, com a superação incrível de uma atleta [Mayra Aguiar] para conquistar a terceira medalha olímpica da carreira e um rosto novo [Daniel Cargnin], que trouxe um grande resultado [bronze na categoria até 66 kg], exemplo da renovação. Acho que dentro do que a gente pôde, conseguimos um bom resultado. Mantivemos a chama do judô brasileiro aceso. Claro, gostaríamos de mais, mas a avaliação é boa”, ponderou Wilson.

O judô é a modalidade que mais rendeu medalhas olímpicas ao Brasil. São 24 ao todo, sendo quatro ouros, três pratas e 17 bronzes.

Brasil em 7º por equipes

Os bronzes nos Campeonatos Mundiais de 2019 e 2021 criaram a expectativa de o Brasil lutar pelo pódio na disputa por equipes. O torneio, inédito na Olimpíada, reuniu judocas em seis categorias pré-determinadas: três masculinas (até 73 quilos, até 90 kg e acima de 90 quilos) e três femininas (até 57 kg, até 70 kg, acima de 70 kg).

Como o Brasil não teve representante na categoria até 57 kg em Tóquio, o posto foi ocupado por Larissa Pimenta, que compete um peso abaixo (até 52 kg). Outra improvisação, essa de última hora, teve de ser feita na categoria acima de 70 kg – onde as titulares costumam ser as judocas da categoria acima de 78 kg. Com a lesão de ligamento de Maria Suellen Altheman na sexta-feira (30), Mayra Aguiar foi ao tatame no lugar. Medalhista entre as atletas até 78 kg, a gaúcha, assim como Larissa, teria de encarar rivais mais pesadas que o usual.

O Brasil estreou contra a Holanda. Mayra e Daniel venceram seus combates, mas Larissa, Maria Portela, Rafael Macedo e Baby não resistiram e os brasileiros foram derrotados por 4 a 2, caindo para a repescagem, onde poderiam disputar o bronze. Diante de Israel, Mayra e Portela saíram vitoriosas do tatame, mas Larissa, Eduardo Barbosa, Eduardo Yudy Santos e Rafael Buzacarini não tiveram a mesma sorte e os israelenses ganharam o duelo por 4 a 2.

O ouro por equipes ficou com a França, que surpreendeu o anfitrião – e principal favorito – Japão por 4 a 1. O resultado teve gosto de revanche para os europeus, que haviam perdido as finais dos últimos quatro Mundiais para os japoneses. Israel (superando o Comitê Olímpico Russo) e Alemanha (batendo a Holanda) levaram o bronze.

Categorias
Esportes

Seleções de vôlei podem encerrar primeira fase olímpica na liderança

As seleções feminina e masculina de vôlei podem encerrar a primeira fase dos respectivos torneios na Olimpíada de Tóquio (Japão) na liderança dos grupos. A situação mais favorável é a das mulheres, que chegaram neste sábado (31) a quarta vitória em quatro jogos ao superarem a Sérvia por 3 sets a 1, com parciais de 25/20, 25/16, 23/25 e 25/19, mantendo a ponta do Grupo A. Nesta segunda-feira (2), as brasileiras enfrentam o já eliminado Quênia às 9h45 (horário de Brasília).

O time masculino volta à quadra também neste sábado, às 23h05, para duelar com a França. Para terminar o Grupo B em primeiro, o Brasil tem que vencer os franceses (que precisam ganhar para garantir a classificação) e torcer por um tropeço do Comitê Olímpico Russo diante da Tunísia, lanterna da chave e sem chances de chegar às quartas de final. Brasileiros e russos acumulam três triunfos e uma derrota, mas eles ficam na frente pelo saldo de sets (cinco a três).

Tandara comanda triunfo feminino

A vitória da seleção feminina sobre a Sérvia teve Tandara como protagonista, com 19 pontos. A oposta fez valer o entrosamento com a levantadora Roberta, com quem atua no Osasco e que entrou no lugar da contundida Macris, que se recupera de uma entorse no tornozelo.

Tandara comanda vitória do Brasil
Tandara comanda vitória do Brasil

Tandara comanda vitória do Brasil – Divulgação/FIVB

“Estamos mostrando como o nosso grupo é forte. Tenho que agradecer as jogadoras por todo o apoio que tenho recebido. A Olimpíada é um campeonato de tiro curto e precisamos de todas as 12 jogadoras. Treinei muito para esse momento e hoje [sábado] joguei mais confiante. Agora é pensar nos próximos desafios”, disse Tandara, em depoimento à Confederação Brasileira de Voleibol (CBV).

Confirmando a melhor campanha do Grupo A, o time de José Roberto Guimarães – que celebrou 67 anos de vida neste sábado – enfrenta o quarto colocado do Grupo B nas quartas de final. A adversária, neste momento, seria a Turquia, a quem o Brasil superou por 3 sets a 1 na última rodada da primeira fase da Liga das Nações, em junho.

Seleção masculina reencontra rival

A seleção masculina terá pela frente um adversário contra a qual é acostumada a fazer grandes e difíceis partidas. Só em 2021, já será o terceiro embate entre Brasil e França, com uma vitória para cada lado, ambos pela Liga das Nações. Na fase inicial, os europeus venceram por 3 a 0, com direito a um 39/37 no primeiro set. Na semifinal, os brasileiros – que ficariam com o título – levaram a melhor e devolveram o 3 a 0.

Se permanecer na segunda posição do Grupo B, o Brasil encara o terceiro colocado da outra chave (neste momento, o Canadá). Caso se classifique na liderança, o adversário brasileiro será o quarto melhor time do Grupo B, posto atualmente ocupado pelo anfitrião Japão.

“Temos que buscar a melhor classificação possível e depois pensar com quem vamos cruzar do outro grupo. Temos um jogo fundamental contra a França e que vai ser para eles também, já que perderam algumas partidas. Vamos entrar com a mesma disposição. É assim que o Brasil sabe jogar”, afirmou o técnico Renan dal Zotto, ao site da CBV, após a vitória por 3 a 1 sobre os Estados Unidos na quinta-feira (29), que garantiu à seleção a vaga antecipada às quartas de final.

Categorias
Esportes

Atletas devem ser acompanhados por psicólogos, defendem especialistas

A saúde mental de atletas de alto rendimento tem ganhado destaque durante os jogos olímpicos de Tóquio. Especialistas ouvidos pela Agência Brasil ressaltam a importância do acompanhamento psicológico durante a trajetória dos atletas e defendem a presença de um profissional especializado em psicologia do esporte nas equipes técnicas de treinamento, desde a base até a chegada a competições de maior visibilidade.

Os atletas estão sujeitos a pressões que afetam a saúde mental assim como qualquer outro profissional. No entanto, além de questões que afetam a população em geral, como a atual pandemia, dificuldades financeiras, o machismo e o racismo, eles enfrentam, de forma sobreposta, situações características inerentes à sua atuação, como pouca margem para erros, expectativas, prazos de competições, além da rotina exigente de treinos. Os prejuízos à saúde mental podem ser minimizados ou evitados se houver acompanhamento psicológico especializado.

“Considerando que o atleta é uma pessoa que não vive isolada das questões maiores da sociedade, tudo o que desestabiliza essa pessoa tanto no seu grupo social menor como as questões de ordem macrossocial interferem no rendimento do atleta. Por exemplo, a pandemia, a morte de um ente querido, uma lesão, às vezes até a mudança da data de uma competição é geradora de desestabilização para o atleta”, explicou a psicóloga Katia Rubio, professora da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP).

Como tais questões podem interferir no desempenho do atleta depende das competências emocionais de cada um e do acompanhamento profissional. Alguns lidam muito bem com o que não foi planejado, outros seguem à risca um projeto de treinamento e se desestabilizam diante de qualquer imprevisto. “É super importante [a presença do psicólogo] porque é possível acompanhar proximamente todas essas questões e a necessária correção de rota para que ele siga cumprindo com aquilo que foi planejado.”

Além disso, Katia ressaltou que a presença do psicólogo neste cenário ajuda a combater abusos sofridos pelos atletas. “A escuta do psicólogo é uma escuta privilegiada e, por isso, é preciso também preparar as instituições para lidar com aquilo que a escuta do psicólogo traz para as instituições. Isso porque muitas vezes as instituições são coniventes com o agressor, porque normalmente o agressor está em posição de poder”, disse Katia.

Baixa tolerância

Professora da Faculdade de Educação Física da Universidade de Campinas (Unicamp), a psicóloga Paula Teixeira Fernandes destacou que todo ser humano está suscetível à baixa tolerância, à frustração e que a grande questão do esporte de alto rendimento é saber lidar com as adversidades que acontecem no momento da prova.

“Um grande exemplo agora é o de Ítalo Ferreira, que no meio da prova, com o tempo rodando, teve a prancha quebrada. Tem pessoas que, com uma prancha quebrada, desistem. Ele foi lá, trocou a prancha e conseguiu”, disse.

Na final olímpica do surfe, em Tóquio, o atleta do surfe Ítalo viu sua prancha quebrar durante a prova. Ele voltou para a areia, pegou outra prancha e deu continuidade à sua participação na competição, levando a medalha de ouro ao final da prova.

Paula citou ainda a questão da satisfação em desempenhar determinada modalidade. “Quando você tem a felicidade e faz porque gosta, o rendimento fica melhor. Inclusive uma das estratégias para melhorar o desempenho que nós, psicólogos, usamos é exatamente isso, é você pensar em situações felizes, porque isso faz com que todo o nosso sistema cerebral se organize de uma maneira diferente e o rendimento aconteça. As pessoas ficam só preocupadas com resultado e nós vamos sempre nos preocupar com o processo”, explicou Paula.

Cuidados preventivos

Para a presidente da Associação Brasileira de Psicologia do Esporte (Abrapesp), Thabata Castelo Branco Telles, é importante que o processo de preparação do atleta inclua o cuidado com a parte psicológica durante todo o treinamento, e não sejam realizados apenas trabalhos pontuais como palestras motivacionais ou uma preparação psicológica apenas semanas antes da competição.

“A ideia é que a gente tenha um processo preventivo, cotidiano, para que depois a gente não vá viver de apagar incêndio, para que não esperemos que uma coisa muito grave aconteça, que o atleta queira desistir do esporte, que não aguente mais, que chegue em um nível muito pesado para a gente começar a se preocupar com isso. Realmente [acompanhamento psicológico] precisa fazer parte dessa rotina mesmo do atleta”, disse Thabata.

A psicóloga observou que, além das adversidades características, questões como o machismo e o racismo podem afetar a saúde mental dos atletas, já que o esporte não existe apartado da sociedade, e são fatores que devem ser levados em consideração. “Se a gente tem situações frequentes de machismo e racismo ainda hoje na nossa sociedade, isso vai acontecer no esporte também. Se há situações de abuso e assédio, isso vai ocorrer no esporte também. O esporte está dentro de uma cultura, de uma sociedade, e tudo isso vai fazer parte da saúde mental daquele indivíduo.”

Para mitigar os impactos na saúde mental dos atletas, a professora da Unicamp, Paula Fernandes, afirmou que é preciso ter uma rede de apoio, desde a família até a comissão técnica, e um preparo de forma integral. “Nós sempre vamos pedir uma comissão técnica interdisciplinar, que trabalhe com diferentes áreas: preparador físico, treinador, fisioterapeuta, nutricionista, psicólogo, médico, todo mundo que está ali envolvido, conversando com o atleta, tendo uma comunicação importante”.

Ela ressalta que, em alguns momentos de decisão no esporte, principalmente quando os fatores técnicos, táticos e físicos dos competidores são muito semelhantes, como é o caso de atletas olímpicos, o aspecto psicológico pode ser o diferencial durante as provas.

“Quando a gente tem todos os treinamentos integrados, conseguimos fazer com que o atleta desenvolva melhor todas as habilidades que ele tem. Quando a gente consegue trabalhar as competências psicológicas relacionadas ao esporte [atenção, foco, autoestima, autoconfiança], a gente está trabalhando as competências psicológicas relacionadas à vida, e isso é fundamental”, disse Paula.

A professora da USP, Katia Rubio, concorda com o papel importante de um psicólogo do esporte nas comissões técnicas. “Esse seria o melhor dos mundos, que toda equipe tivesse não só um psicólogo, mas um psicólogo especialista em esporte, porque nem sempre um psicólogo generalista, um psicólogo clínico, por exemplo, consegue entender a especificidade do esporte para poder orientar de forma apropriada um atleta.”

Avanços da psicologia do esporte

Já houve avanço na presença desses profissionais nas equipes, reconheceu Katia ao citar que especialistas em psicologia do esporte seguiram para Tóquio, acompanhando a delegação brasileira. Mas avaliou que esse acompanhamento deve vir desde o começo do desenvolvimento do atleta.

“Essa atuação [dos psicólogos do esporte] ainda tem que chegar aos clubes, à base. É fundamental que um atleta ou uma atleta cresça e se desenvolva compreendendo que esse é um trabalho tão importante quanto é a preparação física, a nutrição, a fisiologia, e que o trabalho psicológico é só mais uma das especialidades da ciência do esporte que contribuem para do desenvolvimento do atleta”, disse.

A presença de um psicólogo do esporte nas equipes de treinamento dos atletas de alto rendimento não deve ser vista como um bônus, mas como parte integrante da preparação daquele indivíduo, conforme avalia a presidente da Abrapesp. “Às vezes parece que estamos falando de uma coisa extra, como se fosse um bônus, mas na verdade não é isso. Ele [psicólogo] deve fazer parte, vai ter benefícios óbvios no sentido de que, se a gente entende o atleta como alguém que tem um corpo e uma mente, a gente precisa cuidar das duas coisas.”

O reconhecimento da importância do psicólogo do esporte no contexto de alto rendimento já ocorre atualmente, segundo Thabata, mas ainda há o que avançar. “O que falta hoje é termos um trabalho mais sistemático, um trabalho contínuo, que não seja com quebras – porque às vezes isso depende de ciclo olímpico, de verba. É comum encontrar um atleta que fez esse trabalho preparação psicológica em algum momento e depois não fez mais por conta dessas quebras.”

Thabata ressaltou a importância de que o trabalho seja feito de forma mais abrangente e acessível. “Porque, quando a gente fala em termos de Brasil, uma coisa é falar da realidade dos clubes do eixo Rio-São Paulo, outra coisa é falar disso no norte do país. Acho que tem que ter uma abrangência também, tem que ter uma sistematização e uma consistência dessa área [psicologia do esporte] em todo o país.”

Categorias
Esportes

Em virada histórica, Stefani e Pigossi ganham bronze inédito no tênis

As tenistas Luisa Stefani e Laura Pigossi fizeram história na Olimpíada de Tóquio (Japão). Neste sábado (31), as paulistas conquistaram a medalha de bronze das duplas femininas ao derrotarem Elena Vesnina e Veronika Kudermetova, do Comitê Olímpico Russo, por 2 sets a 1, com parciais de 4/6, 6/4 e 11.

É a primeira vez que o Brasil será representado no pódio olímpico do tênis. Nos Jogos de Atlanta (Estados Unidos), em 1996, Fernando Meligeni chegou à disputa do bronze, mas ficou na quarta posição. A medalha será entregue neste domingo (1º), após a decisão do ouro entre as tchecas Barbora Krejcíkova e Katerina Siniakova e as suíças Viktorija Golubic e Belinda Bencic, as algozes de Stefani e Pigossi na semifinal, em horário a ser definido.

As brasileiras tiveram a participação confirmada na Olimpíada faltando uma semana para o início, após várias desistências. Elas estrearam superando Gabriela Dabrowskim e Sharon Fichman, do Canadá, na primeira rodada. Em seguida, passaram pelas tchecas Karolina Pliskova e Marketa Vondrousova, de virada. Nas quartas, surpreenderam (também de virada) as favoritas Bethanie Mattek-Sands e Jessica Pegula, dos EUA, até a queda na semifinal para Golubic e Bencic.

“Não caiu a ficha do quanto é importante para gente essa medalha. Entramos aos 45 do segundo tempo na Olimpíada e só queríamos representar o Brasil da melhor maneira. Acreditem meninas, acreditem, sempre. Sonhem e trabalhem duro cada dia que vocês podem conquistar, é o meu recado. Escutei uma frase e escrevi no meu caderno antes de vir pra cá: ‘jogue pelo amor e não pelo resultado’. E foi assim, estamos muito felizes de trazer essa medalha para casa, para o tênis brasileiro”, celebrou Stefani, após o jogo, em comunicado à imprensa.

A partida contra Vesnina e Kudermetova foi de superação a todo instante. Stefani e Pigossi viram as russas abrirem 4 a 1, buscaram o empate, mas cederam uma quebra de serviço e perderam o primeiro set por 6/4. Na parcial seguinte, o cenário se inverteu, com as brasileiras fazendo 2 a 0 e administrando a vantagem para fecharem o set, também em 6/4.

A medalha seria decidida no match tie-break (melhor de dez pontos, em que os tenistas se alternam no serviço a cada dois saques). As russas começaram melhor e abriram 9 a 5 no placar, com quatro chances de fechar a partida. As brasileiras não desistiram, salvaram os match points, viraram o marcador e venceram o jogo após um erro de devolução das rivais.

A conquista de Stefani e Pigossi foi celebrada em publicações de Bruno Soares e Marcelo Melo – que também integram a seleção brasileira de tênis em Tóquio – no Instagram.

 

Além deles, o ex-tenista Gustavo Kuerten, o Guga, ex-número um do mundo, também comemorou o feito da dupla feminina brasileira pelas redes sociais.

Categorias
Esportes

Paulo André decide vaga na final olímpica dos 100 m neste domingo

O Brasil terá um representante nas semifinais dos 100 metros (m) rasos da Olimpíada de Tóquio (Japão). Neste sábado (31), Paulo André Camilo de Oliveira fez o terceiro melhor tempo da sexta bateria das eliminatórias da prova mais nobre do atletismo, com 10s17. A melhor marca pessoal do brasileiro é 10s02. No domingo (1º), a partir das 7h15 (horário de Brasília), o paulista de 22 anos, radicado no Espírito Santo, disputa um lugar na final, que será no mesmo dia, às 21h05, novamente no Estádio Olímpico da capital japonesa.

A bateria de Paulo André foi vencida pelo sul-africano Akani Simbine, com 10s08. No geral, o brasileiro fez a 26ª melhor marca. O canadense André de Grasse, que foi bronze nos 100 m nos Jogos do Rio de Janeiro, há cinco anos, foi o mais rápido da eliminatória, com 9s91.

“Tive uma boa saída, mas uma má aceleração, eles fugiram um pouco, mas eu me tranquilizei e consegui acompanhar e atacar no final e classificar. Entrei para fazer uma prova por tempo, mas no meio dela tive de ter paciência para mudar a estratégia e consegui. Agora é trabalhar mentalmente na minha recuperação para chegar à semifinal bem”, disse o velocista, em comunicado divulgado pela Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt).

Paulo André é filho do ex-velocista Carlos José Camilo de Oliveira, que representou o Brasil em competições internacionais e perdeu a Olimpíada de Los Angeles (Estados Unidos), em 1984, por causa de uma lesão. Carlos é também o treinador do filho, mas não foi convocado para integrar a comissão técnica da seleção brasileira – o que gerou uma reclamação pública do atleta no Instagram, na ocasião.

“Não vou negar que estou sentindo falta, mas isso não é desculpa e estou em contato com ele a todo o momento. Tem internet para a gente ficar perto”, comentou Paulo André, que leva no peito, junto com o número, o nome “Camilo”, em homenagem ao pai.

 

Paulo André -  Representante nos100m
Paulo André -  Representante nos100m

Paulo André – Representante nos100 m – Wagner Carmo/CABt

 

Outros dois brasileiros disputaram vagas na semifinal dos 100 m, mas não avançaram nas eliminatórias. O catarinense Rodrigo Nascimento ficou em sexto lugar na sétima bateria, com 10s24. O paulista Felipe Bardi foi o quinto na segunda série, com 10s26.

Também neste sábado, o gaúcho Samory Uiki e o paranaense Alexsandro Melo não conseguiram classificação à final do salto em distância. Samory saltou 7,88 metros e ficou em 16º no geral, enquanto Alexsandro atingiu 6,95 m e terminou a eliminatória em 29º. Este último, porém, compete novamente no domingo, desta vez no salto triplo, prova em que é especialista.

Categorias
Esportes

Brasil vence Egito e vai à semifinal do futebol masculino olímpico

O Brasil avançou à semifinal do torneio de futebol masculino da Olimpíada de Tóquio (Japão). Neste sábado (31), a seleção comandada por André Jardine derrotou o Egito por 1 a 0 no estádio de Saitama pelas quartas de final.

Na próxima terça-feira (3), os brasileiros decidem vaga na final contra o México, às 5h (horário de Brasília), no estádio de Kashima. Os mexicanos se classificaram ao golearam a Coreia do Sul por 5 a 2 na prorrogação, no estádio de Yokohama. No mesmo dia, às 8h, Japão e Espanha disputam a outra semifinal em Saitama.

Os brasileiros dominaram as ações ofensivas desde os primeiros minutos, apesar da boa marcação egípcia e da falta de pontaria. A insistência foi premiada aos 36 minutos. Richarlison avançou na esquerda e cruzou rasteiro para o também atacante Matheus Cunha, no meio da área, dominar e bater no canto do goleiro Mohamed El-Shenawy. Aos 45, o volante Douglas Luiz quase aumentou em cobrança de falta.

A pressão seguiu no segundo tempo, mas os erros de conclusão impediram que o Brasil ampliasse a fatura. A notícia preocupante ficou por conta da lesão de Matheus Cunha, que sentiu uma dor muscular na perna esquerda logo no início da etapa final e teve que ser substituído pelo atacante Paulinho.

Também na terça, às 8h, Japão e Espanha fazem a outra semifinal em Saitama. Neste sábado, os japoneses venceram a Nova Zelândia por 4 a 2 nos pênaltis, após empate sem gols no tempo normal em Kashima. Os espanhóis golearam a Costa do Marfim por 5 a 2 na prorrogação. A final olímpica será no próximo sábado (7), às 8h30, em Yokohama.

Categorias
Esportes

Botafogo e Vasco disputam clássico carioca na Série B

Botafogo e Vasco jogam, neste sábado (31), às 21h (horário de Brasília), no Estádio Nilton Santos, pela 15ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B. A Rádio Nacional transmite o duelo com narração de André Luís Mendes, comentários de Waldir Luiz e plantão de Bruno Mendes.

Acompanhe Botafogo x Vasco , às 21h, clique abaixo:

O Alvinegro vem de duas vitórias seguidas contra Goiás e Confiança-SE. O time do zagueiro Gilvan também não levou gols nesta duas últimas partidas, o quê aumenta a confiança do Glorioso para o Clássico da Amizade. “Sabemos que é um jogo muito difícil”, comentou o defensor alvinegro.

Já o Vasco tenta se reabilitar da derrota, no meio da semana, para o São Paulo por 2 a 0 pela Copa do Brasil.  O técnico Lisca vai comandar o cruzmaltino pela terceira vez. Na partida de estreia, goleou o Guarani por 4 a 1. Lisca não vai contar com o lateral Zeca, suspenso pelo terceiro cartão amarelo e MT pode jogar improvisado na posição já que o reserva Riquelme está contundido

O Vasco soma 22 pontos na série B e ocupa a sétima posição da tabela. Enquanto, o Botafogo vem no décimo-primeiro lugar com 19 pontos.

Confira aqui a classificação da Série B.

Categorias
Esportes

Série D: Madureira busca reabilitação e São Bento tenta 1ª vitória

Após perder a invencibilidade na Série D do Campeonato Brasileiro, o Madureira-RJ mira a reabilitação neste sábado (31). Do outro lado, o São Bento-SP busca a primeira vitória na competição. O duelo da nona rodada do Grupo 7, no estádio Aniceto Moscoso, na zona norte do Rio de Janeiro, será transmitido ao vivo na TV Brasil às 15h (horário de Brasília).

O Tricolor Suburbano carioca perdeu a liderança da chave na rodada passada, ao perder para o Santo André-SP por 2 a 0 no estádio Distrital do Inamar, em Diadema (SP). A primeira derrota após oito jogos derrubou os cariocas para o terceiro lugar, com os mesmos 13 pontos do Ramalhão, que tem uma vitória a mais (quatro a três).

O zagueiro Guilherme Xuxa e o atacante Guilherme Augusto estão fora por terem contraído o novo coronavírus (covid-19). O lateral-direito PC, que se recuperou de um estiramento muscular, é dúvida. O técnico Alfredo Sampaio deve escalar o Tricolor com: Lucão; Léo Barboza, Mario Pierre, Thiago Medeiros e Juninho Monteiro; Feitosa, Leandro Sardinha e Rafinha; Romário, Sampaio e Índio.

O Bentão paulista é o lanterna do grupo, com cinco pontos, todos provenientes de empates. Na última rodada, os paulistas foram derrotados pelo Cianorte-PR, por 1 a 0, no estádio Walter Ribeiro, em Sorocaba (SP). A equipe está seis pontos atrás do clube paranaense, que aparece em quarto lugar e ocupa a última vaga ao mata-mata.

O técnico Paulo Roberto Santos tem dois desfalques: o lateral-esquerdo Marcelo Sendeski (desconforto na posterior da coxa) e o atacante Johny (panturrilha). A provável formação terá Cleber Alves; Makelele, Dogão, Douglas Mendes e Alysson; Fábio Bahia, Fraga e Kadu; Kayan, Judson e Anderson Cavalo.

Os rivais deste sábado se encontraram há três semanas, em Sorocaba. O duelo foi decidido nos acréscimos e terminou empatado em 1 a 1. O zagueiro Dogão abriu o marcador para a equipe paulista à frente aos 17 minutos do primeiro tempo, mas o atacante Douglas Cunha, aos 48 da etapa final, evitou a derrota dos cariocas.