Categorias
Esportes

Coluna – Retrospecto diz que São Paulo será o campeão brasileiro

Explicar futebol com a frieza dos números não é o mais correto, mas eles nos ajudam a projetar o andamento de um campeonato e, por que não, prever como será o término dele. Por exemplo: desde 2006, quando o Brasileirão começou a ser disputado por 20 equipes, em apenas quatro edições o campeão do primeiro turno não ficou com o título no fim: em 2008, o Grêmio acabou superado pelo São Paulo; em 2009, o Internacional perdeu o título para o Flamengo; em 2012 foi a vez de o Fluminense superar o Atlético-MG; e em 2018, o Palmeiras levou o título e o São Paulo, campeão do turno, foi o primeiro a não ficar sequer no G4, terminando em quinto lugar. Então, a chance de o campeão do turno ser o campeão brasileiro é superior a 70%. Ao menos para a matemática.

Isso quer dizer que o São Paulo, campeão do turno de 2020, tem boas chances de ganhar o Brasileirão. Mas a favor dele há uma outra estatística – desde 2011, ou seja, no início da década de 20, o líder da 30ª rodada se sagrou campeão. Em 100% das edições. Ou seja, caso tenhamos outro time chegando na frente, na 38ª rodada, será algo inédito nos últimos dez anos.

É interessante observar, ainda, que nesses nove anos, em cinco uma das equipes do G4 da rodada 30 perdeu seu lugar no final – nas outras o G4 se manteve. Isso mostra que há uma chance de 86% de o time que está no G4 agora garantir vaga direto na Copa Libertadores do ano que vem. A título de curiosidade, os cinco que perderam a vaga foram Botafogo (em 2011 para o Fluminense), Atlético-MG (em 2014 para o Internacional), Santos (em 2015 para o São Paulo), e São Paulo, duas vezes (em 2018 e 2019 para o Grêmio).

E na parte de baixo? A história muda muito pouco também. Mas em sete edições houve uma mudança no Z4, não mais do que isso. Em outras duas, ninguém escapou da queda – risco de queda, então, é de 80%. E fugir da Série B não foi tarefa fácil. Em 2011, por exemplo, o Atlético-MG precisou de um desempenho de 62% nas últimas rodadas, similar ao do Internacional, atual segundo colocado na tabela, para escapar. O mesmo fez o Fluminense em 2019. Já o Sport, em 2012, chegou a 58% dos pontos, mas mesmo assim caiu. Se olharmos para o atual Z4, em que o Bahia, 17º colocado, não chega a 34% dos pontos disputados, vemos que a situação é bem difícil para essas equipes.

A cada ano observado, a situação na 30ª rodada se mostrou bem diferente. A diferença de pontos entre o primeiro e o quarto colocados, por exemplo, variou bastante. Em 2019 ela era de 19 pontos; 18, em 2015; 16, em 2012; e 12, em 2013. Em 2014, 2017 e 2018, 9 pontos separavam o líder do quarto colocado. Em 2016, eram 7. Mas em 2011, a distância do líder Corinthians para o Flamengo era de apenas 3 pontos, algo bem semelhante ao que vemos na atual edição, em que Atlético-MG e Flamengo têm um jogo a menos que o São Paulo. Aliás, no Z4, a pontuação também é muito parecida, pois o Atlético-MG abria a zona do rebaixamento com 30 pontos (o Bahia tem 29 em 29 jogos) e o lanterna era o América-MG, com 24 (o Botafogo tem 23).

Então, se a matemática (e a estatística) resolver mostrar sua força, o São Paulo será o campeão de 2020 e entre Internacional, Atlético-MG e Flamengo, um deles sairá do G4. Na parte de baixo, o corte, em 2011, ficou em 42 pontos, ou 36,8% de aproveitamento. E um também escapou, o que significa que um outro ficou pelo caminho. É esperar pra ver.

 

Sergio du Bocage é apresentador do programa No Mundo da Bola, da TV Brasil

Categorias
Esportes

Tênis: João Menezes vence favorito e está nas oitavas em Istambul

Nesta terça-feira (19), o tenista mineiro João Menezes marcou 2 sets a 0 no colombiano Daniel Elahi Galán, cabeça de chave 1, no Challenger de Istambul, que está sendo disputado em quadras duras e cobertas. Na estreia na chave principal, o brasileiro venceu com parciais de 7/6 (7-5) e 6/3, em 1h23min, diante do diante do grande favorito do torneio e número 115 do ranking mundial. Com os pontos acumulados até essa fase, Menezes deve subir sete posições, passando de 193 para 186 do mundo.

“Foi meu melhor jogo há tempos. Posso dizer que desde 2019 eu não fazia uma partida tão boa, desse nível. Joguei muito firme, saquei muito bem. Consegui me impor nas horas que foi preciso. Fui agressivo e, ao mesmo tempo, muito sólido. O Galan está jogando super bem. E ele gosta de apressar muito o jogo, principalmente nestas condições aqui. Então, a minha qualidade de bola teve de ser muito grande”, comemorou Menezes, 24 anos, que veio do Qualifying. Esta é a terceira vitória seguida de João na Turquia.

O primeiro set seguiu sem quebras até o oitavo game, quando Galan conseguiu a vantagem e abriu 5/3. Sacando para fechar a série, o colombiano teve o saque quebrado pelo brasileiro. O jogo seguiu igual até o tie-break. Nesta parcial, o mineiro saiu atrás com a desvantagem de 3-1. Mas, João Menezes virou com cinco pontos seguidos e venceu por 7-5. Na segunda parcial, ele quebrou o saque do adversário no sexto game e venceu por 6/3.

“Superei bem as adversidades. No tie-break com 6 a 3, dois saques, ele deu duas devoluções em que a bola bateu na fita e passou. Mesmo assim ainda consegui ficar firme e fechar o set no ponto seguinte. Muito importante ganhar três em sequência. Agora é buscar mais, com a sensação de que estou jogando bem e pronto para fazer mais um grande jogo”, completou.

Agora, João Menezes busca a vaga nas quartas de final diante do turco Ergi Kirkin, 21 anos, número 449 do ranking, nesta quarta-feira (20), por volta das 8h (horário de Brasília). Será o primeiro confronto entre os dois.

Categorias
Esportes

Sorteio põe mexicanos ou coreanos em caminho brasileiro no Mundial

O representante sul-americano na edição 2020 do Mundial de Clubes, seja Santos ou Palmeiras, terá pela frente Tigres (México) ou Ulsan Hyundai (Coreia do Sul) como adversário na semifinal da competição, que será disputada no Catar entre os dias 4 e 11 de fevereiro. O sorteio foi realizado nesta terça-feira (19), na sede da Federação Internacional de Futebol (Fifa), em Zurique (Suíça). O evento foi transmitido pelo canal do YouTube da entidade.

A vaga destinada à Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) é voltada ao campeão da Libertadores, cuja decisão entre alvinegros e alviverdes será no próximo dia 30, às 17h (horário de Brasília), no Maracanã, no Rio de Janeiro. O vencedor estreia no Mundial no dia 7 de fevereiro, no Education City Stadium, em Doha (Catar), às 15h (horário de Brasília). A definição do adversário sul-americano, se Tigres ou Ulsan, será no dia 4, às 11h, no estádio Ahmad Bin Ali, em Al Rayyan (Catar).

A equipe mexicana se credenciou para o Mundial graças ao título da Liga dos Campeões da Concacaf, que é a confederação de futebol das Américas do Norte e Central, em final contra o Los Angeles (Estados Unidos). Os sul-coreanos, por sua vez, venceram a Liga dos Campeões da Ásia, superando o Persepolis (Irã) na decisão.

A outra semifinal do Mundial tem um participante definido: o Bayern de Munique (Alemanha), ganhador da Liga dos Campeões da Europa sobre o Paris Saint-Germain (França). No dia 8, às 15h, no Ahmad Bin Ali, os bávaros terão pela frente quem avançar de Al Duhail (Catar) e Al Ahly (Egito), que jogam no dia 4, mas às 14h30, no Education City. O Al Duhail participa como representante do país-sede, enquanto os egípcios foram os campeões africanos em 2020, superando o rival local Zamalek na final continental.

A decisão está marcada para dia 11, no Education City, às 15h. Vale lembrar que o Auckland City (Nova Zelândia), que seria o representante da Oceania, desistiu do Mundial devido à pandemia do novo coronavírus (covid-19).

Categorias
Esportes

Nado Artístico: dueto brasileiro define detalhes para Pré-Olímpico

A partir de 4 de março, o dueto brasileiro formado por Laura Miccuci e Luisa Borges participa do Pré-olímpico Mundial de nado artístico. O Classificatório acontecerá no Centro Aquático de Tóquio, mesmo local que abrigará as competições da modalidade nos Jogos Olímpicos. Na luta por uma das sete vagas em disputa, as atletas treinam há mais de seis meses em alta intensidade. O primeiro período de preparação ocorreu em Rio Maior, em Portugal, dentro da Missão Europa do Comitê Olímpico do Brasileiro. Depois, os trabalhos voltaram para o Centro de Treinamento Time Brasil, no Rio de Janeiro.

“Evoluímos muito nesse período. Não que já esteja tudo 100%, mas estamos caminhando para isso. Com alguns ajustes e uma maior intensidade na preparação física, estaremos prontas para o Pré-olímpico”, diz a treinadora da seleção brasileira, Twila Cremona.

A equipe brasileira de nado sincronizado está treinando no Rio de Janeiro para o Pré-Olímpico de olho em Tóquio.A equipe brasileira de nado sincronizado está treinando no Rio de Janeiro para o Pré-Olímpico de olho em Tóquio.

A equipe brasileira de nado sincronizado está treinando no Rio de Janeiro para o Pré-Olímpico de olho em Tóquio. – Alexandre Castello Branco/COB

“O nado artístico é um esporte com alto grau de dificuldade. Não adianta treinar um mês e achar que vamos conseguir a vaga. É preciso um esforço diário, durante todo o ciclo olímpico, para chegar aos Jogos”, comenta Luisa Borges, há dez anos na seleção brasileira entre as categorias juvenil e adulta. Nessa década, ela já teve diversas parceiras na seleção. Uma delas, Duda Miccuci, é a irmã mais velha da atual parceira, Laura Miccuci.

Uma curiosidade é que, quando Duda e Luísa estiveram na Olimpíada do Rio, em 2016, Laura estava nas arquibancadas do Parque Aquático Maria Lenk, local das competições. Torcendo para a irmã e para as amigas, já planejava fazer parte do time brasileiro em Tóquio. “Sempre foi um sonho de criança, mas isso ficou ainda mais intenso depois que vi a minha irmã competir em 2016”, conta Laura, 20 anos, que estreou em Missões do Time Brasil nos Jogos Pan-Americanos de Lima, em 2019.

Por causa da epidemia da covid-19, como prevenção, mais uma nadadora participa dos treinamentos da seleção brasileira: Maria Bruno. As atletas treinam de segunda a sábado, em dois períodos, no Maria Lenk. Além das atividades na piscina, elas são acompanhadas de perto pela equipe multidisciplinar do COB (preparadores físicos, nutricionista, massagista e médicos) e passam por avaliações periódicas no Laboratório Olímpico.

Categorias
Esportes

Após três derrotas, Flamengo vence Goiás e encosta nos líderes

No Estádio Hailé Pinheiro, em Goiânia, Flamengo e Goiás fizeram um duelo de duas equipes pressionadas. No jogo válido pela 30ª rodada, o Rubro-Negro precisava voltar a vencer depois de três partidas para subir na tabela e aliviar a pressão sobre o plantel e sobre o treinador Rogério Ceni.

O time entrou na rodada em 5º com 49 pontos. Já o Goiás enfrenta uma pressão enorme para escapar do Z-4. O time é o 18º colocado com 26 pontos, a seis pontos do Fortaleza, primeiro time fora da zona de rebaixamento. E quem saiu comemorando foram os cariocas. 

O Flamengo fez um jogo com autoridade e venceu por 2 a 0. Gols do meia Arrascaeta e do atacante Gabriel Barbosa. E poderia ter sido bem mais. Aos 18, o uruguaio Arrascaeta tocou para Diego. Ele levantou para Gabigol concluir, mas o árbitro Rodolpho Toski Marques marcou o impedimento. Aos 22, outro gol anulado. Mais uma vez o atacante Gabigol estava impedido. 

No finalzinho do primeiro tempo, o Flamengo marcou e dessa vez o gol valeu. Aos 41, Diego ajeitou para Arrascaeta. O meia bateu de primeira e contou com o desvio em David Duarte para balançar a rede. 

No segundo tempo, o Rubro-Negro seguiu sem sofrer maiores ameaças e criando as melhores oportunidades. Aos 16, Everton Ribeiro finalizou, o goleiro Tadeu defendeu, mas Gabigol, no rebote, não conseguiu mandar para o gol. Só que, no minuto seguinte, ele não falhou. 

Bruno Henrique, aproveitou o erro da zaga, vai no fundo, toca para o meio e o atacante amplia. Já aos 49 da etapa final, o artilheiro Pedro teve tempo de aproveitar mais uma falha na saída de bola do Goiás e fechou o placar em 3 a 0 para o Flamengo.

Com mais três pontos na conta, o time do Rio de Janeiro foi aos 52 em 29 partidas disputadas e ocupa o 4º lugar . O líder São Paulo tem 57 em 30 jogos e o vice-líder Internacional está com 56 com os mesmos 30 jogos. O Goiás segue em 18º com 26 pontos. A próxima partida do Flamengo será na quinta-feira (21) contra o Palmeiras, no Estádio Mané Garrincha, em Brasília, pela 31ª rodada. O Goiás recebe o Ceará no mesmo dia.

Veja aqui a tabela da série A do Campeonato Brasileiro.

Categorias
Esportes

Palmeiras goleia Corinthians e segue sonhando com título brasileiro

Em partida válida pela 28ª rodada do Campeonato Brasileiro, Palmeiras e Corinthians jogaram no início da noite desta segunda-feira (18) no Allianz Parque, em São Paulo. O Alviverde, com duas partidas a menos do que a maioria dos rivais da parte de cima da tabela, entrou em campo com 48 pontos em 7º lugar e tinha como objetivo vencer para se aproximar dos líderes. Já o Corinthians, sem perder desde 14 de novembro, quando foi superado pelo Atlético Mineiro por 2 a 1, queria vencer para seguir se aproximando do G-4. O Timão entrou em campo no 9º lugar com 42 pontos, oito abaixo do grupo que se classifica à Libertadores.

E quem se deu bem foi o Verdão. Ao final do primeiro tempo, o time do técnico português Abel Ferreira já fazia 2 a 0, gols do meia Raphael Veiga e do atacante Luiz Adriano. Mesmo sem marcar nenhum dos gols, o grande destaque dessa etapa do jogo foi o atacante Willian, autor dos dois passes para os gols. 

Apesar da vantagem relativamente tranquila do Palmeiras, o jogo não foi muito tranquilo. Até os 31 minutos, a partida era equilibrada com boas chances de lado a lado. Só que aos 33, veio o primeiro de Raphael Veiga, que recebeu a bola praticamente livre na entrada da área e bateu no canto esquerdo do goleiro Cássio. Para fechar a etapa inicial, Willian recebeu em profundidade, chegou antes do goleiro Cássio e rolou para o centroavante Luiz Adriano apenas empurrar para a rede. O árbitro gaúcho Jean Pierre Gonçalves, com auxílio do VAR, confirmou o gol.

Quem pensava que o Alviverde poderia tirar o pé do acelerador na etapa final errou feio. O Verdão começou o segundo tempo arrasador. Logo no primeiro minuto, o goleiro Cássio salvou em cima da linha uma finalização de Willian. E, aos dois, a rede balançou. De novo, Raphael Veiga. Na sobra de uma bola prensada entre o zagueiro Jemerson e o centroavante Luiz Adriano, o meia dá uma bomba de fora da área e estufa a rede. 

Aos 11, o volante Gabriel Menino forçou o goleiro Cássio a operar um milagre para evitar o quarto gol palmeirense. Aos 19, teve gol do Verdão com o lateral-esquerdo Vinã. Mas o lance foi anulado corretamente por impedimento. Quase no lance seguinte,  Gabriel, volante do Corinthians, recuou completamente errado e o atacante Luiz Adriano chegou para dividir com Cássio. A bola rebateu no palmeirense e foi para a rede. 

Para ter uma ideia da dimensão do resultado, em toda história do Derby Paulista, o Timão só havia sofrido quatro goleadas por 4 a 0. A última tinha sido em 2004. 

Com esse resultado, o Palmeiras subiu para o 4º lugar. O Verdão tem 51 pontos com 29 jogos disputados. O São Paulo, líder do Brasileiro, tem 57 pontos com 30 partidas jogadas. A partida atrasada é da 1ª rodada contra o Vasco da Gama, em São Paulo e será disputada no dia 26 de janeiro. 

A próxima partida do Palmeiras pelo torneio será na quinta-feira (21) contra o Flamengo no Mané Garrincha, pela 31ª rodada. Na tabela, depois da goleada, o Corinthians está em 9º lugar com 42 pontos. A partida da 31ª rodada do Timão contra o Sport em Itaquera também ocorrerá na quinta-feira. O jogo contra o Bahia, válido pela 30ª rodada, foi adiado para o dia 28 de janeiro.

Veja aqui a tabela da Série A do Campeonato Brasileiro.

Categorias
Esportes

Parataekwondo: Nathan Torquato é eleito melhor das Américas

A temporada de 2021, que terá o auge nos meses de agosto e setembro com os Jogos Paralímpicos, começou com excelentes notícias para o paulista Nathan Torquato. Aos 20 anos, o atleta do parataekwondo foi escolhido pelo Portal Mundo Taekwondo como o melhor das Américas de 2020.

“Foi uma honra ainda mais vindo da mídia de maior destaque de Taekwondo em nível mundial”, disse o lutador da classe K44, para atletas com amputação de braço. O brasileiro, que nasceu com uma má formação congênita no braço esquerdo, ficou à frente do mexicano Diego Garcia (segundo colocado) e o argentino Juan Samorano (terceiro). “Todos nós estamos classificados para os Jogos Paralímpicos. É claro que em categorias diferentes. Tanto o mexicano quanto o argentino lutam no peso até 75kg e eu, até 61kg. É um trio que representa muito bem o nosso continente ao redor do mundo. As Américas estão crescendo demais e muito por causa dos nossos resultados”, completa.

Natural da Praia Grande, no litoral sul de São Paulo, Nathan carimbou o passaporte para o evento de Tóquio no Classificatório da Costa Rica em março de 2020. “Estavam os melhores do continente. Foi um torneio bem pesado. Somente o melhor de cada categoria levava a vaga. Fiz três lutas. A primeira contra um colombiano. Foi 20 a 18. Uma luta bem apertada. Estava um pouco nervoso. Depois, passei por um atleta da República Dominicana por 80 a 20. Um recorde de pontos na modalidade em todo mundo. Estava muito bem preparado. Na final, contra um cubano, ganhei de 36 a 17 e fiquei com a vaga. Cheguei muito bem treinado. Sabia do peso do torneio e do tamanho do desafio”, lembra o brasileiro.

30.08.19 - Jogos Parapanamericanos Lima 2019 - Tae Kwon Do - Nathan Torquato 61kg classe k4430.08.19 - Jogos Parapanamericanos Lima 2019 - Tae Kwon Do - Nathan Torquato 61kg classe k44

30.08.19 – Jogos Parapanamericanos Lima 2019 – Tae Kwon Do – Nathan Torquato 61kg classe k44 – ALE CABRAL/CPB

Aos 20 anos, o jovem assume sem problemas o posto de um dos favoritos para faturar uma medalha no Japão. “Nos últimos três anos, apenas dois atletas em todo mundo conseguiram me vencer, um da Turquia e outro da Mongólia. Nós estamos dominando a categoria há bastante tempo e tudo indica que estaremos lá brigando pelo lugar mais alto do pódio. Não vejo o favoritismo para ganhar uma medalha como um fardo. Encaro isso como uma motivação maior”, comenta o medalha de ouro nos Jogos Parapan-Americanos de Lima em 2019. A disputa em Tóquio, que será a estreia da modalidade no programa paralímpico, vai contar com 12 atletas com a junção das classes K43, para lutadores com deficiências nos dois membros, e K44.

Além de Nathan, a paraibana Silvana Fernandes (até 58kg) e a paulista Débora Menezes (acima 58kg) conquistaram a vaga à Paralimpíada pelo Classificatório continental . “As duas estão deixando performances incríveis dentro dos tatames há bastante tempo. O Brasil tem tudo para estar muito bem representando nos Jogos”.

Vida dedicada ao taekwondo

Mesmo tendo ingressado no parataekwondo em 2017, quando a modalidade foi criada no Brasil, Nathan Torquato está envolvido com taekwondo desde muito jovem. “Com apenas três anos, ia para a escola com a minha mãe e sempre via o pessoal lutando em uma academia. Todo mundo com o dobok (roupa parecida com o kimono usada pelos atletas do taekwondo). Era demais. Comecei e não parei até hoje. São 17 anos dedicados à modalidade. Fui cinco vezes campeão paulista no convencial e sigo até hoje colecionando medalhas. Tomara que consiga trazer mais uma lá de Tóquio”.

Categorias
Esportes

Maior evento de base da vela brasileira define campeões no RJ

O fluminense Lucas Freitas, de 13 anos, e a gaúcha Melissa Paradeda, de 12, foram os campeões masculino e feminino, respectivamente, da edição deste ano do Campeonato Brasileiro de Optimist, classe de iniciação à vela e conhecida por introduzir crianças e adolescentes na modalidade. O evento terminou no último sábado (16), no Iate Clube do Rio de Janeiro (ICRJ).

O torneio, considerado o principal da vela brasileira na base, reuniu mais de 150 jovens entre seis a 15 anos. Lucas ganhou oito das 12 regatas realizadas e garantiu o bicampeonato da categoria. Em 2020, o garoto venceu a edição disputada em Porto Alegre.

“Durante esse ano [2020], mesmo com a pandemia, treinei muito e tive a oportunidade de correr o Campeonato Europeu na Eslovênia. Tudo isso me ajudou a melhorar tecnicamente”, comentou Lucas, que representou o próprio ICRJ, campeão do torneio por equipes.

Melissa, por sua vez, concluiu o Brasileiro na décima posição geral e foi a melhor competidora entre as meninas. A jovem da Escola de Vela de Ilhabela (SP) é filha do velejador olímpico Alexandre Paradeda, campeão mundial e pan-americano na classe Snipe.

”No Optimist, o resultado é o que menos importa, mas acompanhar a preparação dela nos últimos seis meses, focada e concentrada em evoluir no nosso esporte foi emocionante”, disse o pai de Melissa. A mãe, Priscila Paradeda, orgulhosa da conquista da pequena, postou uma imagem da filha no pódio.

A próxima edição do Brasileiro de Optimist será entre 4 a 18 de janeiro de 2022 no Cabanga Iate Clube de Pernambuco, em Paulista (PE).

O barco de Optimist tem 2,34 metros e é utilizado para crianças e adolescentes aprenderem as principais funções de um monotipo. O veleiro suporta até 60 quilos e seu formato impede que a embarcação atinja uma velocidade considerada elevada, o que o torna mais seguro para a modalidade. Entre os velejadores que começaram nesta categoria, estão os campeões olímpicos Robert Scheidt e Martine Grael.

Categorias
Esportes

Surto de covid-19 obriga Cabo Verde a desistir de Mundial de Handebol

A Federação Internacional de Handebol (IHF, sigla em inglês) anunciou nesta segunda-feira (18) a desistência da seleção de Cabo Verde do Campeonato Mundial masculino da modalidade, no Egito. A equipe africana vive um surto de casos do novo coronavírus (covid-19) que a deixou com apenas nove atletas à disposição no elenco. O regulamento prevê um mínimo de dez jogadores aptos para jogar.

O grupo cabo-verdiano viajou com 15 atletas. Quatro deles, porém, foram diagnosticados com a covid-19 ao chegarem no Egito. Com 11 jogadores disponíveis, a seleção estreou com derrota por 34 a 27 para a Hungria. Em nova bateria de testes, antes do segundo jogo, contra a Alemanha, mais dois casos do novo coronavírus foram confirmados, o que impossibilitou a realização da partida, válida pelo Grupo A. Os alemães ganharam por W.O., o equivalente a uma vitória por 10 a 0.

O último compromisso de Cabo Verde pela primeira fase seria nesta terça-feira (19), diante do Uruguai. Segundo a nota divulgada pela IHF, “como a seleção encontrava dificuldades para reunir ao menos dez jogadores aptos para competir, conforme o regulamento, a decisão foi por deixar o campeonato”. Ainda de acordo com a federação, o time africano será considerado derrotado por W.O. nos jogos que faria pela Copa Presidente, que reunirá as equipes que não passassem à segunda fase.

Com a desistência, Hungria, Alemanha e Uruguai, demais participantes do Grupo A, estão automaticamente classificados à sequência do Mundial. Os três melhores de cada um dos oito grupos irão à segunda fase, em que as seleções serão divididos em quatro chaves de seis times. As duas melhores equipes de cada grupo prosseguirão às quartas de final.

Futuro brasileiro

Após empates com Espanha e Tunísia, o Brasil decide o futuro no Mundial do Egito nesta terça, às 16h30 (horário de Brasília), contra a Polônia. Os espanhóis lideram o Grupo B com três pontos, acumulando uma vitória (que vale dois pontos) e um empate (um ponto), seguidos por poloneses (uma vitória e uma derrota) e brasileiros, com dois pontos. Os tunisianos estão em último, com um ponto (um empate e uma derrota). Na segunda fase, os times que avançarem dos grupos B e A estarão na mesma chave.

Categorias
Esportes

Expedição Anamauê chega ao destino e se torna a maior do Brasil

Depois de 22 dias, 1.060km navegados e remados, a 4ª edição da Expedição Anamauê chegou ao fim neste final de semana. Os seis remadores dos estados do Rio de Janeiro e do Espírito Santo, que haviam saído no dia 24 de dezembro de Arraial D´Ajuda-BA, chegaram no Centro de Estudos do Mar (CEM), na praia de Jurujuba, em Niterói, na região metropolitana do Rio. Concretizando com sucesso aquela que foi a maior expedição de canoa havaiana do Brasil em trajeto inédito. O último trecho de 120km saindo de Arraial do Cabo, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro, em 13 horas de duração na canoa havaiana V6. Eles acordaram à 0h de sexta-feira, começaram a navegação às 2h30 e chegaram em terra firme aproximadamente às 16h.

Foram 22 dias e pouco mais de mil quilômetros sem ajuda de tecnologia.Foram 22 dias e pouco mais de mil quilômetros sem ajuda de tecnologia.

Foram 22 dias e pouco mais de mil quilômetros sem ajuda de tecnologia. – Expedição Anamauê / Divulgação

Essa foi a primeira tripulação a bater os 1000km em uma canoa havaiana no Brasil, o grupo inaugural a cruzar o Cabo de São Thomé, na região de Campos, e a primeira equipe a fazer o trajeto direto de Arraial do Cabo até Niterói sem apoio. “No último dia navegamos na escuridão, com água muito gelada. Exigiu muito da tripulação. Muito frio. O dia nasceu com muitas nuvens, só foi esquentar pelas 8 da manhã, momento mais frio da viagem. Por volta de meio-dia, muito quente e ficamos parte navegando à vela, parte à remo, vento entrava e saía e mantivemos a constância para não deixar a canoa parada”, disse Daniel Gnone, o carioca mais jovem tripulante do grupo, com 25 anos. “Depois de 22 dias, concluímos nosso grande objetivo de vida. Foi um ano de planejamento e só conseguimos executar graças à equipe. Todos os dias que íamos para o mar, precisava pensar que existiam cinco vidas comigo e não podia errar nas escolhas”, declarou o carioca Douglas Moura, um dos líderes da tripulação.

O trajeto

O primeiro destino foi a praia de Corumbau, no município baiano de Prado, depois desembarcaram na praia que leva o nome da cidade. Condições ruins impediram que a tripulação saísse na data prevista. No dia 27 foram para Nova Viçosa navegando e remando por 80km. Na segunda (28), o grupo teve que abortar a chegada na divisa com o Espírito Santo por uma tempestade e desembarcou na praia de Mucuri-BA. O último trajeto antes da virada do ano foi até Regência-ES, o maior deles com 100 quilômetros, onde aportaram na base da Canoa Polinésia Pataxó, comandada por Ranin Thomé, um dos líderes da 4ª Expedição Anamauê.

Daniel (destaque) e Douglas (fundo) integrantes da tripulação da Expedição Anamauê.Daniel (destaque) e Douglas (fundo) integrantes da tripulação da Expedição Anamauê.

Daniel (destaque) e Douglas (fundo) integrantes da tripulação da Expedição Anamauê. – Expedição Anamauê / Divulgação

No dia 2, os velejadores rumaram à Vitória. Depois, partiram em trajeto mais curto para Anchieta-ES. E, no dia 4, foram para o extremo sul do estado, em Marataízes. O grupo cruzou a divisa com o Rio de Janeiro na terça-feira (12). Nesse momento, o grupo foi obrigado a ficar três dias esperando as condições do mar melhorarem. No final de semana, saíram da praia de Grussaí-RJ, e levaram mais de 12h no mar até aportarem em Macaé-RJ. No dia seguinte, chegaram em Búzios-RJ, com ventos de 30 nós e algumas avarias no barco. Depois de aguardarem o mar apresentar melhores condições, o grupo partiu na quinta (14) à Arraial do Cabo e finalizarem a viagem no dia seguinte. O trajeto, feito em uma canoa havaiana V6 adaptada com duas velas, é inédito no Brasil. Os tripulantes não contaram com auxílio de equipamentos eletrônicos, apenas bússola e carta náutica.